Como definir a criticidade de equipamentos

Como definir a criticidade de equipamentos

A criticidade de equipamentos faz parte da vida de toda empresa e indústria que opera e depende de tudo funcionando plenamente em dia. Quando a prestadora promove estratégias que podem definir situações críticas ao ponto de reduzir custos e estudar como é o desempenho daquele equipamento indica qual o melhor tipo de manutenção para ser aplicada. E esse é o tema da nossa conversa de hoje.

A gente sempre cita aqui e se você for leitora/leitora assíduo do blog vai perceber que batemos sempre na mesma tecla: a da organização. É impossível se ter uma boa produtividade, ainda mais crescente, quando não há organização de todos os processos. E o que isso tema a ver com a criticidade de equipamentos?

Quando se tem uma gestão bem desenhada, indicar o tipo de manutenção certeiro para cada cliente, de acordo com o momento individual da empresa e com o status de cada equipamento.  Por isso, indicar o formato de manutenção ideal é fator mais que relevante. Para ter tudo muito bem implementado e na ponta da língua, confira o conteúdo: Quais são os tipos de manutenções na prestação de serviços.

O que é criticidade de equipamentos?

A prestação de serviços utiliza muitos indicadores e a criticidade de equipamentos é apenas mais um deles. O principal objetivo é baseado na classificação de como os riscos e os efeitos dos mesmos de um determinado equipamento pode causar em toda a operação de determinada empresa, fábrica ou indústria. O resultado é o aumento da potência da atividade do negócio como um todo. Isso porque tem como base identificar o que deve ser atendido primeiro. Lembra do lance da organização? Pois é, a criticidade de equipamentos indica qual dispositivo deve ser otimizado em primeiro lugar, a partir da formação de uma hierarquia. E não importa o formato de manutenção que esteja em andamento. E está diretamente ligada a confiabilidade da Análise RAM. Todos os itens estão fazem parte da engenharia de manutenção estão descritos aqui: Análise RAM: Confiabilidade, Disponibilidade e Mantenabilidade.

Por que deve ser aplicada?

A maioria das indústrias e empresas que atuam com linha de produção tem uma árvore que define a importância das máquinas e também das falhas. Nela, é possível fazer uma classificação da mais importante para a menos importante. Por mais que todas sejam necessárias para manter a produção em dia e ativa de acordo com o modelo de negócio, é preciso definir essa lista prioritária. Tudo isso definido pela Classificação ABC.

Como é feita a análise da criticidade de equipamentos?

Aqui a pergunta de ouro é: como saber se um dispositivo funciona ou está com falhas? Lembra que citamos a confiabilidade? Então, ela entra de novo agora.

O indicado para melhor orientação de todos os envolvidos é uma árvore que

A classificação mais utilizada é a ABC. Para revisão, ela funciona da seguinte maneira:

  • A –  máxima;
  • B – média;
  • C – baixa.

Cada equipamento da árvore deve ser classificado de acordo com as letras, seguindo o grau de criticidade de mais para menos.

Basicamente, a criticidade de equipamentos é feita por meio dos fatores e na análise devem ser levados em conta, principalmente no momento de definição da hierarquia:

  • Custo;
  • Confiabilidade (olha ela de novo)
  • Frequência;
  • Qualidade;
  • Segurança.

E quando o termo segurança aparece na criticidade de equipamentos, vai além da operação. Garante também a saúde e segurança dos envolvidos na operação. E quando esse assunto tão importante vem à tona, não podemos deixar de reforçar sobre os EPIs. E nada melhor que atuar de forma adequada para evitar danos à saúde dos técnicos. A Field te orienta melhor no texto: Segurança do trabalho: adeque as ferramentas dos técnicos.

Para facilitar e definir o que é prioridade na manutenção

Existem diversas métricas e métodos que o gestor pode instruir para que os técnicos de campo apliquem, com o foco em diagnosticar o que é prioridade na manutenção.

A aplicação dos 5 Principais indicadores de manutenção com MTBF e MTTR pode ajudar. Além disso, ter ferramentas e processos muito bem estabelecidos facilitam a execução do trabalho. Saber quais são as principais falhas dos equipamentos é fundamental, mas e as falhas da sua gestão? Convencidos que somos, podemos deixá-las de lado e dizer que nossa produtividade é baseada apenas em acertos e muitas vezes, na correria da rotina, nem percebemos que pequenos erros impactam diretamente no atendimento ao cliente.

Alguns desses processos são os mais utilizados e vão desde a ordem de serviço até relatórios fotográficos e planilhas de controle de estoque.

A criticidade de equipamentos é apenas um exemplo e uma pequena ponta que integra toda a manutenção em uma prestadora de serviços. A Field dá alguns exemplos de como a tecnologia inseria no dia a dia da gestão pode agregar ainda mais o trabalho dos técnicos, como:

Ordem de serviço digital;

Relatórios fotográficos e check-lists;

Localização dos técnicos;

Se quiser saber como tudo isso acontece, visite nosso site: www.fieldcontrol.com.br.

Equipe Field Control

O Field Control é uma poderosa ferramenta de gestão para empresas prestadoras de serviços. Para o gestor, organização e controle da empresa. Para os técnicos, praticidade e mais rendimento nas atividades do dia a dia.

Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a utilizar esse site, entenderemos que você concorda com isso. Visite nossas Política de Privacidade